Estudar as nossas raízes faz parte de um processo de autoconhecimento...

Estudar as nossas raízes faz parte de um processo de autoconhecimento...
Pretende-se que este blogue se materialize num importante contributo para o estudo das famílias do Alentejo, com especial incidência nas zonas de Borba, Estremoz, Vila Viçosa, Alandroal e Redondo.





“A genealogia não deverá tornar-se num processo dissimulado de busca obsessiva por gente nobilitada, socialmente distinta, mas antes como um veículo facilitador do conhecimento e apropriação do modo de vida daqueles que, independentemente do seu estatuto social e da sua condição económica, representaram o elo de uma corrente - a mesma que só tomou forma porque cada elo esteve em dado momento no seu lugar, com maior ou menor bravura, maior ou menor sofrimento e espírito de sacrifício, mais ou menos propósito, simplesmente teve a nobreza e o dom, que mais não fosse, da sua própria existência… e creiam que à medida que vou envelhecendo, vou proporcionalmente tomando maior consciência da importância e necessidade de “genealogia” e “humildade” caminharem sempre de mãos dadas…”

__________________________________________________________________________ O Autor





Abreu

Primeira Geração



      1. Maria de Abreu natural da Matriz de Redondo. Nascida cerca de 1550.

          Maria casou com António Sanfins, natural de Redondo.


Tiveram filhos:


      +    2 F         i.  Francisca de Abreu natural de Redondo.


    +    3 M       ii.  Manuel de Abreu. (com reservas em relação à sua filiação)

            4 M      iii.  Roque de Abreu.


- Roque de Abreu pertenceu à Companhia de Jesus (Jesuítas) e era considerado pelos religiosos dessa Companhia como “ nobre, limpo e honrado”.



Segunda Geração


      2. Francisca de Abreu (Maria de) natural de Redondo.


Francisca casou com Manuel de Faria, filho de Gonçalo Ribeiro de Faria e Catarina de Faria. Manuel era natural da freguesia de Sacavém - Lisboa.


- Foi criado do Conde de Redondo D. João Coutinho.


Manuel e Francisca tiveram os seguintes filhos:


      +      5 F         i.  Maria de Abreu.


               6 M       ii.  Pe. António de Faria de Abreu foi baptizado em 25.abril.1614 na Matriz de Redondo. Ele faleceu em 1.setembro.1666 na Matriz de Redondo.


- Habilitou-se a Ordens de Missa em 1640 (ADE, Mç. 39 n. 358).

- Foi seu padrinho de batismo Dom João de Castel Branco (casado com D. Cecília de Menezes Coutinho, filha do conde D. João Coutinho)


Foram testemunhas arroladas no decurso do processo de inquirição de genere (em 1634):
 

1 - Manuel Machado da Silveira, " a quem o vigário deu instrumento dos Santos Evangelhos, de 47 anos pouco mais ou menos". Diz que ouviu falar que a mãe do habilitando (Francisca de Abreu) tem um irmão chamado Roque de Abreu que se formou na Companhia de Jesus (Jesuítas). Manuel de Faria, pai do habilitando, é natural de Sacavém. Conheceu os parentes de Manuel de Faria e sabe que eram gente muito nobre. Conhece os pais de António de faria de Abreu há mais de 40 anos.


2 - Dom Francisco Coutinho, conde do Redondo - 46 anos. Declarou que conheceu os pais do habilitando por serem criados seus e nascerem (crescerem) em sua casa. Conhece Manuel de Faria desde menino, que veio para serviço do conde D. João Coutinho, que Deus tem, pai do dito senhor. Veio Manuel de Faria para o serviço de sua casa, conhecido por homem nobre... Conheceu os seus avós maternos: Francisca de Abreu era filha de António Sanfins e de Maria de Abreu, e sabe que Roque de Abreu, irmão de Francisca entrou na Companhia de Jesus e os ditos Religiosos o acharão nobre, limpo e honrado....


3 - Luís Alvares Cardoso - Clérigo de Missa do Hábito de São Paulo, cura na Matriz da vila de Redondo, declara que em Lisboa conheceu parentes de Manuel de Faria, que (...) na casa do conde D. João Coutinho. Conheceu os avós que são tidos como gente nobre...

Manuel de Faria era filho de Gonçalo Ribeiro de Faria e de Catarina de Faria, naturais e moradores em Sacavém e que se encontram sepultados na Matriz do mesmo lugar.



               7 M      iii.  João de Gouveia Côrte-Real.

                   - Habilitou-se a Ordens Menores em 1638 (ADE, Mç. 8, n.º 238).


               8 F       iv.  Luísa foi baptizada em 30.julho.1623 na Matriz de Redondo.


- Foi seu padrinho de baptismo o Lic. Lourenço da Silveira, por procuração do Conde de Redondo Dom Francisco Coutinho.



      3. Manuel de Abreu (Maria de).


Nota: Não encontrámos provas documentais de que este indivíduo fosse filho dos pais que lhe atribuímos, embora as probabilidades de que assim fosse se considerem elevadas, motivo pelo qual aqui é apresentado. Ainda assim, e pelo exposto, a sua filiação deverá ser encarada com as devidas reservas.


Manuel casou com Leonor Rodrigues Coelha.

Tiveram filhos:

               9 M        i.  Manuel de Abreu.


Manuel de Abreu casou com D. Cristina da Silva, filha de Jorge da Silva Leitão de Porcelos e D. Isabel Martins Varela, em 14.dezembro.1629 na Matriz de Redondo. D. Cristina da Silva foi baptizada na Matriz de Redondo.


             10 M       ii.  Dr. António de Abreu Coelho foi baptizado na Matriz de Redondo.


Dr. António de Abreu Coelho casou com D. Cristina da Silva, filha de Jorge da Silva Leitão de Porcelos e D. Isabel Martins Varela, em 14.novembro.1639 na Matriz de Redondo. D. Cristina da Silva foi baptizada na Matriz de Redondo.



Terceira Geração


      5. Maria de Abreu (Francisca de Abreu, Maria de) foi baptizada na Matriz de Redondo.


Maria casou com João Paes de Pina, filho de Manuel Machado da Silveira e Isabel de Pina, em 20.novembro.1630 na Matriz de Redondo. João foi baptizado na Matriz de Redondo.


             - Foi seu padrinho de casamento o conde de Redondo Dom Francisco Coutinho.


João e Maria tiveram os seguintes filhos:


             11 F         i.  Francisca foi baptizada em 24.setembro.1631 na Matriz de Redondo.


 - Foi seu padrinho de baptismo o conde de Redondo Dom Francisco Coutinho.



             12 M       ii.  Manuel com o baptismo registado em duplicado a 9 e 18 de Novembro de 1632 na Matriz de Redondo.


- Foi seu padrinho de baptismo o conde de Redondo Dom Francisco Coutinho.



+        13 F       iii.  D. Isabel de Pina (ou da Silveira) foi baptizada  em 4.setembro.1634.


             14 F       iv.  Luísa foi baptizada em 17.março.1639 na Matriz de Redondo.

- Foi seu padrinho de baptismo o Padre Manuel (Paes) Valente, por procuração do Conde de Redondo Dom Francisco Coutinho;

- Foi sua madrinha de baptismo Maria de Pina.




Quarta Geração



    13. D. Isabel de Pina (ou “ da Silveira”) (Maria de Abreu, Francisca de, Maria de) foi baptizada em 4.setembro.1634 na Matriz de Redondo.


- Foram seus padrinhos de baptismo o conde de Redondo (Dom Francisco Coutinho), Inocêncio de Figueiredo, Padre António de Faria e Francisca de Abreu.

- Foram testemunhas do seu casamento Inocêncio de Figueiredo e o padre António de Faria e madrinha Francisca de Abreu.


D. Isabel de Pina (ou “da Silveira”) casou com Dr. Simão de Figueiredo, filho de Dr. Manuel Álvares Médico e D. Serafina de Lemos, em 27.maio.1660 na Matriz de Redondo. Simão de Figueiredo foi baptizado em 14.outubro.1641 na freguesia de Santo Antão de Évora.


- Teve como padrinho de baptismo D. Veríssimo de Lancastre e Catarina Soares.

  

Dr. Simão de Figueiredo e D. Isabel de Pina tiveram descendência.